24 de fev de 2010

Contra a Esquerdofrênia, escolha um mal menor, escolha um Brasil livre de Dilma.

A incompetência dos partidos esquerdistas para apresentar projetos sólidos de desenvolvimento, é o grande motivo para a sua esquizofrenia. A inveja sempre foi a sua raiz, desde o “Manifesto Comunista” se pode notar o real interesse de Marx: a destruição dos competentes pela rebelião dos incompetentes. Chego a pensar que Marx tinha um ódio viril de Engels, o convencendo de que, a fábrica de seus pais era um mal a ser destruído. Ao assumir o comando da fábrica, Engels seguiu todos os preceitos comunistas de “economia” e gestão, resultado: falência múltipla e desemprego total.

Toda essa ideologia comunista se alastrou no mundo como um câncer. Parece que não há quimioterapia que elimine o mal de vez. Os esquerdofrênicos, sempre escondem a sua mediocridade atrás dos argumentos de desvalidos e injustiçados. Inventam inimigos superiores a eles e lhe atribuem todo o mal a este. São atrozes quando surpreendem políticos de direita com dinheiro nas meias, mas logo gritam calúnia e conspiração quando dólares são encontrados nas suas cuecas.

Seu modo político de operar é sempre mentir e trapacear e... matar se for a única solução (veja o caso do prefeito Celso Daniel). Dizem as seus súditos, tão fanáticos quanto os homens-bomba do Islã, que o mal é necessário para se chegar ao bem. Che Guevara dizia, por exemplo, que “não há revolução sem sangue”. Não me admiro que o vermelho seja a cor preferida dessa gente, como na música de Chico Buarque que mostra essa obsessão: esse cálice de vinho tinto de sangue. Chico um menino que nasceu em berço de ouro, nunca foi assalariado, operário ou como dizem os próprios esquerdofrênicos, proletariado. Acho que Chico Buarque sofre do mal “Engels”.

A satanização dos americanos rendeu um bom livro: A obsessão antiamericana de Jean-François Revel. E também vários outros péssimos, como: As veias abertas da América Latina de Eduardo Galeano. O dualismo do comunismo, a luta entre o bem e o mal, é mais sólido na América Latina. Terra de caudilhos e populistas dos mais baratos, a América Latina sofre constantemente com esses Idiotas, que camuflam as suas roubalheiras, sandices e pobreza no continente culpando a América de cima.

Esperamos ansiosamente por uma democracia saudável, não essa democracia infectada e uma justiça que teve a venda tomada pelos esquerdofrênicos. Um Estado mais fraco, menos regulador que deixe a força criativa das pessoas levantarem a nação. Um país menos taxador (1TRILHÃO em impostos só em 2009) para que não precisemos de reduções de IPI. Instituições livres da politização esquerdofrênica. Enfim, um Brasil livre dos loucos, maníacos e fanáticos. Escolha um mal menor, escolha um Brasil livre de Dilma.


Um comentário:

João Pedro disse...

2010 é a nossa esperança para que essa corja do mal deixe a democracia brasileiro.

Dilma, nem pensar!