3 de fev de 2010

A esquerda é mesmo tão forte assim?

Muito se fala e ouve na força que a política esquerda tem no Brasil, em função de todo o seu aparelhamento e arsenal em torno de movimentos sociais e sindicais. A sua militância causa temor em qualquer político ou partido de direita em função da sua forte voz que corre aos quatro ventos do continental Brasil com a falsa identidade de povo. Olavo de Carvalho fala um pouco do que é a força dos vermelhos brasileiros ao ressaltar que uma possível vitória de Serra não seria algo para se comemorar com tanto vigor.

Se eleito, o Sr. Jose Serra terá de comandar uma máquina estatal dominada de alto a baixo pelos seus adversários, a começar pelos oito juízes lulistas do Supremo Tribunal Federal. O PT e seus partidos aliados comandam, além disso, uma rede de organizações militantes com alguns milhões de membros devotos, prontos a ocupar as ruas gritando slogans contra o novo presidente ao primeiro chamado de seus líderes. Comandam também o operariado de todas as indústrias estratégicas e a rede de acampamentos do MST espalhados ao longo de todas as principais rodovias federais e estaduais: podem paralisar o país inteiro da noite para o dia. Reinam, ademais sobre um ambiente psicossocial inteiramente seduzido pelos seus estereótipos e palavras de ordem, a que nem mesmo seus mais enfezados inimigos ousam se opor frontalmente.

Mas, o que vejo é um poder tamanho que logo escapa das mãos dos esquerdistas brasileiros. A figura exponencial de Lula é muito mais forte do que a já sucateada do PT, ou seja, Lula sem o PT é Lula, PT sem Lula não é nada. Outra ponto é o sucesso de candidatos de direita em alguns estados como a própria São Paulo, com Serra no comando. Todo o sucesso de Serra mobiliza uma campanha de satanização, a principal arma dos esquerdistas, contra o governo paulista, pelos mais variados assuntos como as chuvas por exemplo.

Em Minas Gerais, Aécio é quase imbatível. Esse por exemplo causa temor nos políticos e partidos esquerdistas a ponto de o presidente e todos os partidos esquerdistas torcerem fortemente de todo o fundo de suas almas, pelo insucesso de uma chapa puro sangue com uma dobradinha entre Serra e Aécio. Mas, a principal razão do inócuo apoio dos movimentos sociais, que sabem apenas fazer barulho e depredar patrimônios públicos e privados,  é a questão da gestão esquerdista que não inspira confiança no povo, deixando toda a sociedade decepcionada com o discurso impraticável. Lula é a exceção, pois é um esquerdista que governa com a mão direita, separando com muita destreza os âmbitos políticos social e econômico.

De resto, os governos esquerdistas são ineficazes na sua gestão e todo esse aparato ideológico de ajuda dos movimentos sociais e sindicais tornam-se inócuas, pois a prática não condiz com o discurso de prosperidade para todos e ética acima de tudo.

Nenhum comentário: