23 de abr de 2010

Ciro tornou-se indigente político


Dadas as proporções da brutalidade cometida por Lula e PT ao deputado Ciro Gomes, as críticas do cearense a gangue vermelha foi um tanto quanto "pianinho". Os prejuízos na carreira polítca de Ciro Gomes serão muito maior do que um pequeno mal estar cometido pelo valente do PSB. O fato curioso é que nenhum daqueles valentes do PT saiu em defesa de Lula e de Dilma ante as críticas de Ciro, como se faz quando um tucano insinua uma inferioridade petista, seja moral ou de gerencia, afinal a primeira funda a segunda. Enfim, Vacarrezza, o líder do partido atribuiu as criticas de Ciro Gomes a um estilo de ser. Nem isso Ciro provoca nos petistas, nem raiva ou ódio, muito menos amor ou apreço; ele era, como muitos são hoje, apenas um importante instrumento sob a ótica do momento, indiferente.


Ciro foi convidado a fazer parte desse festim e a ter um naco do poder, como um peemedebista qualquer, regalando-se com alguma divisão do governo, onde pode fazer seus pequenos grandes negócios. O deputado do PSB queria mais: queria ser protagonista na política. Não existe esse espaço no PT.

Lula foi esvaziando Ciro com a técnica e a paciência de um taxidermista. Tirou-lhe a vitalidade eleitoral e o encheu de palha, de modo que ele pudesse conservar, durante algum tempo ao menos, a aparência de figura relevante na sucessão. Até que chegou a hora do golpe: a visita de Dilma Rousseff ao Ceará, o que, vamos convir, foi de um desrespeito brutal.

O PT tem um norte moral: tudo o que não serve à hegemonia do partido deve ser destruído. E, bem…, no que diz respeito à relação Ciro Gomes-PT (consulte o arquivo do blog), não foi por falta de aviso.

Ilustração

Agora encontrem Ciro Gomes neste vídeo.

Nenhum comentário: