2 de abr de 2010

Doi-Codi: Quem começa guerra não pode lamentar morte

Frases de Leônidas Pires Gonçalves ex-chefe do Doi-Codi

“As torturas lamentavelmente aconteceram, mas para ser uma mancha ela foi aumentada”

“Hoje todo mundo diz que foi torturado pra receber a bolsa-ditadura”

“Pagamos aos presos para eles delatarem os outros”

“São Paulo chegou lá e deu voz de prisão e já recebeu bala de lá”

“Quem começa guerra não pode lamentar morte”

O canal de TV por assinatura exibe neste sábado, às nove e cinco da noite, hora de Brasília, entrevista exclusiva com o ex-ministro do exército e chefe do Doi-Codi, entre 1974 e 1977.

Ao repórter Geneton Moraes Neto, o general disse que, enquanto ele comandou o Doi Codi, não houve tortura. E revelou que o exército pagou a delatores para obter informações que levaram a morte e prisão de opositores do regime. 



8 comentários:

Paulo Roberto disse...

Essa época era uma tranquilidade para a familia, tinha-se uma certeza, que os filhos voltariam para suas casas, e que os bandidos não passeavam de avião. Nunca houvi falar de bandido famoso, tinhamos liberdade plena de ir e vir.

Anderson Roberto disse...

Não vivi essa época, mas tenho fortes razões a ser grato por isso diariamente! É triste saber que a história recente do nosso pais carrega as manchas, "aumentadas" ou não desse absurdo e estupidez militar! Vi o vídeo no jornal da globo e fiquei chocado com frieza desse indivíduo, estúpido, burro, militar...
Porem, mais lamentável ainda, é ter que ler comentários como o acima, não que o Sr Paulo Roberto não tenha o direito de se expressar, mas pra mim soa como um neonazismo!
Liberdade de ir e vir não condiz com punição de "subversivos" caro amigo, seria interessante que alguns conceitos pudessem ser revistos!
Bom, essa é a MINHA opinião que graças ao fim dessa desgraça eu posso expressar!

Henrique Lima disse...

Anderson Roberto, para entender bem os motivos da Ditadura Militar é preciso entrar no contexto da época. Anos 20 até antes de deflagarem o golpe. Conhecer também os personagens e suas aspirações.

Talvez sua opinião esteja inflada pelo discurso dos esquerdistas. A História é dinâmica, no entanto a versão dos esquerdistas da época é antagônica.

Anderson Roberto disse...

Olá Henrique, cheguei ao seu blog fazendo uma pesquisa por possíveis repercussões dessa entrevista.
Concordo com vc que a história é dinâmica, que precisa ser analisada e estudada imparcialmente, concordo mais uma vez que tenho um "pé" na esquerda...
Conheço o contexto sim, sempre busco ser o mais imparcial possível, saber que tudo tem seu lado positivo... porém acredito que não seja uma visão exclusivamente esquerdista afirmar que houveram atrocidades que não justificam de forma alguma o "restabelecimento da ordem".
Enfim, gostei da discussão, vou passar a freqüentar o blog, ler seus posts e sempre, comentar! Tentar ser o mais imparcial e sempre, mesmo discordando, respeitando as opiniões expostas.
Abraço!

Wilson R. disse...

"Quem começa guerra não pode lamentar morte" - por mais cruel que seja, a frase tem fundamento. Conflitos, uma vez iniciados, trazem consequências e se alguém está disposto a começá-los, deve saber quais serão.
É claro que a tortura é atitude desprezível, mas pensar que militares receberiam balas dos esquerdistas e ficariam passivos, tombando ao sabor dos tiros, é querer demais.
Enfim, como alguém disse aí, a História é dinâmica e pra tudo há seu tempo. Se as balas não puderam (nem poderiam) mudar os rumos da História, o próprio tempo fez isso.
Se para melhor ou pior, vai depender muito se analisamos a liberdade de expressão ou a proliferação do crime organizado e a aclamação de criminosos, além da degradação do sistema de ensino.

Abraços.

.

Everardo disse...

Henrique, não se pode justificar um erro com outro. A explosão do Rio Centro expôs uma podridão que "inflou" sob o pretexto de combate ao "terrorismo". Terrorismo combatendo terrorismo. Por isso, a democracia é um bem mais valioso do que qualquer pretexto, especialmente quando se implanta uma ditadura para evitar outra, como se alguma delas fosse boa.
Se você torce por uma ditadura, o problema é seu. Mas, você perde o direito de criticar qualquer outra.

Henrique Lima disse...

Olá Everardo, te conheço dos blogs de Bruno Pontes e Wanfil. Desculpe, mas essa será uma das poucas vezes que aprovarei seus comentários no meu blog, visto que, você não critica, mas tenta destruir a imagem por meio de mentiras safas. Coisa das gentes indesejadas mesmo.
*
A ditadura militar não foi um erro, cometeu alguns erros. Era uma opressão contra os comunistas, seus heróis. Tudo para evitar uma ditadura contra o "povo" a comunista. A ditadura do proletário é contra o...proletário, os pobres, o povo...Isso tudo aqui seria uma Cuba, Colombia e demais paises comunistas, todos fracassados e no buraco.
Eu não torço por ditadura, vc não me engane com esse papo de democracia valiosa, que pra pessoas do seu tipo, democracia valiosa é a democracia morta.
Té nunca mais.

Lord disse...

Nesse aspecto, ponto positivo pro Gen Leônidas. Um os poucos até hoje que foi confrontar a mídia com uma parte esquecida da verdade histórica do nosso país, há muito suprimida pelas esquerdas.
Muitos dos ditos "de esquerda" hoje desconhecem o fato de que nunca teria havido perseguição política, tortura nem nada disso se não tivessem eles mesmos deflagrado ações terroristas no país. O AI-5 foi simplesmente uma resposta às barbáries cometidas pelas esquerdas da época.
E reclamam eles de tortura, mas eles mesmos mataram e torturaram muita gente que nada tinha a ver com a instauração dos governos militares. Morreram muitos soldados, muitos civis e, curiosamente, poucos oficiais superiores. Isso parece com atitude de quem luta contra um regime autoritário? Pois pra mim é atitude de quem quer promover terrorismo na pura concepção da palavra. As cabeças dos vários movimentos de esquerda e a maioria esmagadora de seus membros lutavam pela comunização do país, pela imposição de uma ditadura de esquerda, e não pela democracia como dizem. E iludiram centenas de jovens com essa falsa luta democrática, levando alguns à morte... será que as famílias desses jovens têm mesmo que buscar satisfação com o Exército? Ou será que têm que buscar satisfação com Dilma Roussef, Paulo Vanucci e outros tantos terroristas que encabeçaram esses movimentos?
E é engraçado ver que sempre que alguém expõe ponto de vista oposto ao das esquerdas é taxado por eles como fascista, nazista ou coisa do tipo. Esquecem que o próprio nazismo veio de Hitler baseado em obras de Marx.