17 de jul de 2010

Serra acusa governo Lula de ter criado "República Sindicalista"

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, acusou o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de promover uma "frenética" partidarização do Estado brasileiro e de criar uma República Sindicalista.

Em encontro com artistas e intelectuais na noite de quarta-feira no Rio de Janeiro, Serra comparou o aparelhamento do Estado às críticas feitas durante o governo do ex-presidente João Goulart, que ocupou o cargo entre 1961 e1964.

"O que vemos é uma partidarização frenética do Estado brasileiro. Está tudo aparelhado. Em 1964 falavam da República sindicalista do Jango. Brincadeira. Conheci todos no exílio. Eram anjinhos", disse Serra em discurso.

"Não tem nada a ver com o que acontece agora. Agora, tem uma República sindicalista. É uma elite sindical alinhada ao governo pelo dinheiro para fazer um trabalho político partidário", acrescentou o tucano.

O candidato acusou o atual governo de privatizar o Estado e reiterou que se for eleito vai "estatizar o Estado brasileiro". "Isso é essencial para acabar com a corrupção", ressaltou.

Serra afirmou ainda que o governo Lula usa estatais para fins políticos na área cultural. Para ele, a Petrobras lidera a estratégia do presidente.

"Se criou feudos (nas estatais), com a Petrobras à frente, e sempre como instrumento de política partidária", disse ele. afirmando que, quando comandou cidade e Estado de São Paulo, as estatais faziam política cultural conjunta.

As críticas do candidato encontraram eco na classe artística. "O PT aparelhou o Estado e sucateou a máquina. Se não fosse o PSDB, o Lula não estaria onde está", disse o ator Carlos Vereza ao declarar voto ao tucano.

Serra defendeu ainda a diversificação de fontes de financiamento para a área cultural, que hoje depende da Lei Rouanet, que dá incentivos aos investimentos no setor.

Nenhum comentário: