18 de mai de 2011

PT: O Partido da Bancada da Maconha nega a existência da epidemia do Crack e minimiza os efeitos das drogas

"O crack é um crime contra as pessoas, contra a juventude, contra o Brasil. Vamos enfrentar essa ameça com autoridade, carinho e apoio. Autoridade para combater e derrotar os traficantes" É com essas palavras, da propaganda política de Dilma, que começo este post para mostrar que palavras são apenas palavras.

A secretária de antidrogas do governo Dilma, Paulina Duarte, deu entrevista a Folha e negou que haja uma epidemia do crack. Como podemos perceber, o governo acaba de anunciar que vai descumprir mais uma de suas promessas de campanha. Nem se deu ao trabalho de fingir estar preocupados e tomando as providencias cabíveis. Depois de fazer um corte no orçamento da PF que faz as vigilância das fronteiras, por onde entra as drogas e armas que alimentam o crime organizado, a senhora Paulina Duarte fez questão de avisar mais um descumprimento de campanha da senhora Roussef: as tais clínicas ou "comunidades terapêuticas" que tratam da recuperação de viciados também não estão nos planos do governo Dilma,

Não sei em que mundo vive a secretária antidrogas do governo Dilma para afirmar que não existe uma epidemia de crack e além disso minimizar os efeitos da cocaína. A baronesa não freqüenta favelas, não assisti os jornais, não visita clínicas de recuperação? Será que o outro mundo possível já povoa a mente desta senhora? Só faz sentido por que ela é do PT, o partido que tem uma bancada da maconha com apoio integral das lideranças. Assim o PT estaria facilitando o aumento da clientela das gentes infâmes que estão por trás dessas iniciativas.

Este é o apreço que esse governo tem pela a família brasileira: destruir as relações hierarquicas, promover o homossexualismo, destruir o sistema educacional, desarmar o cidadão e facilitar a entradas de drogas em território nacional e drogas cada vez mais potentes, como o Oxi. Parabéns a você que ama a sua família e votou neste governo imundo!

Nenhum comentário: