28 de jul de 2011

Os intolerantes que são contra a união civil gay, mas que são tolerantes

Saiu na Folha Online a seguinte matéria: 

Reparou? Ser contra é ser intolerante. É isso que eles chamam de homofobia, você não pode em nenhuma hipótese discordar da união civil gay ou será homofóbico. Discordar do dízimo por exemplo é ato de inteligência e se taxar os pastores, de forma generalizada, de ladrão aí seu conceito de espírito crítico é elevado a pensador.

O sub item da notícia ainda declara que o "Brasil avança em passos lentos". Ou seja, eles não se conformam que 55% dos brasileiros tenham opinião contrária ao referido tema, 5% a mais dos que se dizem a favor da união civil gay, a totalidade é a meta do totalitarismo.

Mas, no interior da notícia de "Intolerância" tem o seguinte parágrafo:
Apesar da maioria contrária à união gay, a pesquisa revela que o brasileiro, de modo geral, é tolerante com homossexuais em seu cotidiano.
Onde está a intolerância como título da notícia? Mas é isso que se chama livre pensamento e liberdade de expressão dentro de uma democracia, ser contra e ser tolerante! 

3 comentários:

Tiago Nunes disse...

Intolerância porque as pessoas são contra a união civil dos homossexuais. Qual o problema do casamento gay?

Henrique Lima disse...

Tiago, ser contra não é ser intolerante. Vc pode ser contra uma religião, ideologia, filosofia e qualquer ordem de pensamento, ação ou comportamento. Isso não significa que vc é intolerante.

Eu por exemplo sou contra, mas sou mais contra que impeçam, se os gays querem se unir civilmente, ninguém pode impedir q 2 pessoas se unam. Livre arbítrio pra cada um e liberdade de expressão pra tods

livrexpress disse...

Muito bem observado.

A própria reportagem admite que os brasileiros convivem super bem com os homossexuais.

Mas o que interessa à militância gay (e à sua mídia servil) é bater na tecla da "homofobia" e da "intolerência". Daí a palavra em destaque, acima do título, para induzir o leitor distraído à "certeza" de que o Brasil é um país de "homofóbicos intolerantes", que precisa haver leis para combater o "preconceito" e toda aquela mentirada autoritária (mas fantasiada de "boazinha") costumeira.

Abs.